ensαios de umα αprendiz α jornαlistα

Com quem você está falando?

Chats anônimos ganham a internet e lançam a moda de falar com estranhos

por Anna Carolina Cardoso Pinheiro

Andrey Ternovskiy, russo de 17 anos, e Leif K-Brook, um americano de 18, jamais se conheceram, mas ajudaram a transformar as relações sociais na internet ao criarem chats anônimos. K-Brook foi o primeiro: no início de 2009 inventou o Omegle. Mais de 20 mil pessoas se conectam diariamente, respondendo ao famoso “asl” – age, sex and location (idade, sexo e localização, em português). O papo não está agradando? É só clicar em “desconectar” e em instantes você estará falando com outra pessoa. No segundo semestre, veio o Chatroulette, com uma inovação: a webcam. A lógica de funcionamento é bastante simples: duas telas de vídeo, uma caixa para o chat, um botão escrito “próximo” e outro para denúncias (três denúncias suspendem o usuário por 40 minutos). É, como sugere o nome, uma roleta russa de videochat.

O número de brasileiros que aderem a essa nova mania é cada vez maior. Além de conhecer novas pessoas e culturas diferentes, a chance de praticar outros idiomas – principalmente o inglês, língua mais popular dos chats – é o principal atrativo. O estudante de 19 anos, Paulo Henrique Barros Faria Dragoni Ferreira, concorda. Ele conheceu os chats anônimos por meio das redes sociais que, em sua opinião, são as grandes responsáveis pelo rápido crescimento dos sites. Paulo Henrique acrescenta ainda que, por os homens representarem a maioria maciça dos usuários, é muito mais fácil uma mulher manter uma conversa. Mas, afirma, as conversas costumam ser rápidas e é raro que resultem em amizade. “Só teve uma vez que o papo rendeu, conversei por mais de uma hora com uma brasileira. Trocamos Orkut e MSN e mantemos contato até hoje”, explica o estudante, que acessa os chats cerca de uma vez por semana.

A professora de inglês Ana Luísa Felipe, 21, descobriu o Chatroulette, pelo Twitter, e viu no site uma ótima oportunidade para praticar também o alemão, idioma que estuda. Apesar de poucos acessos até agora, ela já percebeu o que deve ser o maior problema enfrentado pela equipe do jovem Ternovskiy: o grande número de pervertidos. “A maioria das pessoas entra no site atrás de sexo virtual. Mal ligo a câmera e já aparece alguém pelado”, afirma.

Esse é, aliás, o grande desafio a ser vencido pelo Chatroulette. Análise feita pelo blog americano de tecnologia TechCrunch, com 2883 perfis atrelados ao ChatRoulette Map (serviço do site que, pelo Google Maps, permite que você veja a cidade de onde o interlocutor está falando e até a última imagem gerada por sua webcam) mostrou que 13% dos usários estão estritamente interessados em pornografia. Apesar do risco de deparar-se com alguma cena embaraçosa, os chats anônimos não param de crescer.

O fascínio humano por conversar online não é recente. No começo era o IRC, Internet Relay Chat, que se tornou o principal meio de bate-papo na Internet durante o final dos anos 1990. Com o advento da internet comercial, foi a vez da sala de bate-papo. Divididos por categorias de interesses, região ou idade milhões de pessoas “teclavam” diariamente. Surgiu também o ICQ (do acrônimo feito com base na pronúncia das letras em inglês para I Seek You), em 1996. Além da possibilidade de encontrar pessoas estranhas com quem você compartilhasse algum interesse, era possível adicionar amigos e conhecidos. Com o tempo o ICQ foi perdendo usuários no Brasil. A maioria deles migrou para o MSN Messenger, outro programa que permite falar com uma pessoa através de conversas instantâneas pela Internet. Agora, são os chats anônimos.

Daniela Bertocchi, pesquisadora do Commais – Grupo de Pesquisa em Comunicação, Jornalismo e Mídias Digitais da ECA-USP e professora de hipermídia das Faculdades de Campinas (Facamp), diz que a possibilidade de estabelecer relacionamentos pela Internet caracteriza a rede desde o seu surgimento. “Sempre vamos querer conversar, partilhar, pertencer a alguma comunidade. O que muda com o tempo são os dispositivos – talvez agora mais sofisticados, com mais ubiquidade, mais recursos. O chat de antes não oferecia imagem e som. Agora, oferece”, argumentou Bertocchi.

Tanto em um quanto no outro as conversas costumam ser em inglês. No Brasil, já existem versões em português. O Chatroulette inspirou o Chat Rolé e o Cata Papo; o Omegle, o Tagarele e o Talkstuff. Ainda falta público, embora as páginas contenham links para divulgá-las nas principais redes sociais. Se essa nova mania é passageira ou não, é difícil saber: “fazer previsões nesta área é altamente desaconselhável”, completa a pesquisadora.

(matéria escrita em 07/04/2010, para a disciplina de Jornalismo Multimídia III)

Comentários em: "Com quem você está falando?" (8)

  1. Woww… como as coisas mudam… hahahaha…

  2. mahbellini disse:

    genial, mto bom o título hauahua

  3. Muito obrigada, Ramone!

    O PH causou com esse nome grande, viu!
    Ainda bem que eu não tinha limite de caracteres!
    hahaha ;p

    A proposta dos chats é bem interessante, acho que você vai gostar
    :)

  4. Curti muito esse hahaha Eu nem lembrava mais de ter participado dessa rápida entrevista, ficou ótima a matéria. Parabéns novamente !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: